FCI-Estalão n.º 332 / 03.09.1999 / GB
Cão Lobo Checoslovaco
(Československý Vlčák)

Tradução (não oficial): Miguel Félix (da versão inglesa traduzida por Mrs. C. Seidler).

Origem: Antiga República Checoslovaca.

Apadrinhamento: Eslováquia.

Data de publicação do estalão válido original: 03.09.1999.

Utilização: Cão de trabalho.

Classificação FCI: Grupo I; Secção I. Com provas de trabalho no país de origem.

Resumo histórico: Em 1955 realizou-se uma experiência na antiga Checoslováquia, baseada no cruzamento de um cão pastor alemão com uma loba dos Cárpatos. Esta comprovou que a descendência deste cruzamento tal como o inverso (fêmea com macho) é viável. A quase totalidade dos exemplares destes cruzamentos possuía os requisitos genéticos para manter descendência. Em 1965, depois do final da experiência, iniciou-se o aperfeiçoamento desta nova raça. O objectivo era combinar as qualidades úteis do lobo com as do cão. Em 1982, através do Comité Geral das Associações de Criadores da Republica Checoslovaca, o Československý Vlčák foi reconhecido como uma raça nacional.

Aparência geral: Constituição do tipo firme. Acima do tamanho médio de moldura rectangular. Semelhante ao lobo no formato, movimento, cobertura, textura, cor do manto e máscara.

Proporções importantes:
- Comprimento do corpo / altura das espáduas = 10 / 9.
- Comprimento do focinho / Comprimento da região craniana = 1 / 1,5.

Comportamento / temperamento: Vivo, muito activo, resistente ao esforço prolongado, dócil com reacções rápidas. Intrépido e corajoso. Cauteloso. Demonstra uma tremenda lealdade para com o líder. Resistente a condições climáticas adversas. Utilização versátil.

Cabeça: Simétrica e muito musculada. Vista de perfil e de cima forma uma cunha truncada. Os dois sexos devem ser inconfundíveis.

Região craniana:
Crânio: Vista de perfil e de frente a testa é ligeiramente arqueada. Sem sulco frontal marcado. Osso occipital perfeitamente visível.
Stop: Moderado.

Região facial:
Trufa: Oval. Preta.
Focinho: Bem delineado, pouco largo, ponta da trufa estreita.
Lábios: Acoplamento firme. Comissura labial fechada. Os rebordos dos lábios são pretos.
Mandíbulas/dentes: Mandíbulas fortes e simétricas. Dentes bem desenvolvidos, especialmente os caninos. Dentada em tesoura ou pinça com 42 dentes de acordo com a distribuição habitual. Implantação regular.
Bochechas: Bem delineadas. Suficientemente musculadas. Sem exteriorização marcada ou proeminentes.
Olhos: Pequenos. Inclinados. Cor de âmbar. Pálpebras firmemente implantadas.
Orelhas: Erectas, finas, triangulares, pequenas (menores de 1/6 da altura da espádua); os pontos laterais da inserção das orelhas e o canto externo dos olhos ficam na mesma linha recta. Uma linha vertical baixada da ponta das orelhas passa próximo da cabeça.

Pescoço: Seco, bem musculado. Em repouso forma um ângulo de mais de 40º com a horizontal. O pescoço deve ser suficientemente longo de modo que a trufa toque facilmente no solo.

Tronco:
Linha superior: Ligeiramente descendente, com uma suave transição do pescoço para o tronco.
Espáduas: Bem musculadas, pronunciadas. Embora pronunciadas, não devem interromper a fluência da linha superior.
Dorso: Firme e recto.
Lombo: Curto, bem musculado, de largura moderada, ligeiramente inclinado.
Garupa: Curta, bem musculada de largura moderada, ligeiramente caída.
Peito: Simétrico, bem musculado, espaçoso, em formato periforme estreitando-se em direcção ao esterno. A profundidade do peito não atinge o nível dos cotovelos. A ponta do esterno não ultrapassa a ponta dos ombros.
Ventre: Barriga esticada e arregaçada. Flancos ligeiramente retraídos.

Cauda: De inserção alta, pendente, recta. Quando o cão está excitado, geralmente eleva-se em forma de foice.

Membros:
Anteriores: Rectos, bem delineados, próximos, com as patas ligeiramente voltadas para fora.
Ombros: As omoplatas estão situadas bem mais à frente e bem musculadas. Formam um ângulo próximo aos 65º com a horizontal.
Braços: fortemente musculados, forma um ângulo de 120º a 130º com as omoplatas.
Cotovelos: Trabalham bem ajustados e correctamente direccionados para trás. Bem definidos, flexíveis. O ângulo formado pelos braços com os antebraços aproxima-se aos 150º.
Antebraços: Longos, bem delineados e rectos. O comprimento dos antebraços e metacarpos corresponde a 55 % da altura da espádua.
Carpos: Sólidos, flexíveis.
Metacarpos: Longos, formam um ângulo de pelo menos 75º com o solo. Suavemente elásticos na movimentação.
Patas: Grandes, ligeiramente voltadas para fora. Dígitos alongados, arqueados e fortes, unhas escuras. Almofadas bem definidas, elásticas e escuras.

Posteriores: Poderosos. Os membros param paralelos. Uma linha virtual baixada da ponta do esquio passa pelo eixo da articulação do jarrete. Os esporões são indesejáveis e devem ser removidos.
Coxas: Longas e bem musculadas. Formam um ângulo de 80º com o osso eliaco. A articulação coxo-femural é robusta e fléxivel.
Joelhos: Vigorosos e flexíveis.
Pernas: Longas, bem delineadas, bem musculadas. Formam um ângulo aproximado de 130º com os jarretes.
Metatarsos: Delineados, sólidos e flexíveis
Jarretes: Longos, delineados. Posicionados quase verticalmente.
Patas: Alongadas, dígitos arqueados com unhas escuras e fortes.

Movimentação: Harmoniosa, ligeira com boa cobertura do solo. Trote, no qual os membros deslizam pelo solo o mais próximo possível. A cabeça e pescoço tendem à horizontal. Caminha em passo.

Pele: Elástica, ajustada, sem rugas e despigmentada.

Pelagem:
Pelos: Rectos e fechados. No Inverno e no Verão a pelagem difere enormemente. No Inverno, um imenso sub pelo é dominante e em conjunto com a pelagem superior, forma um grosso manto revestindo o corpo inteiro. É necessário que a pelagem cubra também o ventre, a face interna dos posteriores, o escroto, a face interna das orelhas e entre os dígitos. O pescoço é bem guarnecido.

Cor: Do cinza-amarelado ao cinza-prateado com uma característica máscara clara. Pelos claros também na face ventral do pescoço e ante peito. É permitida a cor cinza escura com máscara clara.

Tamanho e altura:
Altura nas espáduas:

Macho: Mínimo: 65 cm.
Fêmea: Mínimo: 60 cm.
Peso:
Machos: mínimo: 26 kg
Fêmeas: mínimo: 20 kg.

 

Faltas: Qualquer desvio dos termos deste estalão deverá ser considerado como falta e penalizado na exacta proporção da sua gravidade.

  • Cabeça leve ou pesada.
  • Testa chata.
  • Ausência de 2 PM1, ou de ambos M3 não é penalizada. Contudo a ausência de um M3 mais dois PM1ou a ausência de um PM1 mais ambos M3 devem ser consideradas faltas.
  • Olhos castanhos-escuros, pretos ou de cores diferentes.
  • Orelha grosseira. Inserção alta ou baixa.
  • Pescoço portado alto em repouso; porte baixo do pescoço em posição estática.
  • Espádua não pronunciada.
  • Linha superior atípica.
  • Garupa longa.
  • Cauda longa, inserção baixa e portada incorrectamente.
  • Angulação dos anteriores insuficiente ou excessiva.
  • Metacarpos fracos.
  • Angulação dos posteriores insuficiente ou excessiva. Musculatura insuficiente.
  • Máscara pouco marcada.
  • Movimentação curta ou ondulante.

 

Faltas eliminatórias:

  • Discrepância nas proporções.
  • Faltas no comportamento e temperamento.
  • Cabeça atípica.
  • Falta de dentes (excepto dois PM1 e M3, veja parágrafo “faltas”), dentada irregular.
  • Inserção e forma atípicas dos olhos.
  • Inserção e formato atípico das orelhas.
  • Barbelas.
  • Garupa fortemente descaída.
  • Caixa torácica atípica.
  • Inserção e porte atípico da cauda.
  • Posicionamento atípico e faltoso dos membros anteriores.
  • Pelagem eriçada e atípica.
  • Cores diferentes das descritas pelo estalão.
  • Ligamentos soltos.
  • Movimentação atípica.

 

Nota: Os machos devem apresentar dois testículos de aparência normal, bem desenvolvidos e acomodados no escroto.